quinta-feira, 10 de maio de 2012

COMO AVE QUE VOLTA AO NINHO ANTIGO: HOMENAGEM AS MÃES.

Honra teu pai e tua mãe, a fim de que tenhas vida longa (Ex.20.12NVI)

Dizem que mãe é como luz sentimos sua falta quando se apaga. Eu fui criado numa casa de 13 irmãos. Ali no ninho da família “ Lopes” eu percebi muitas coisas bonitas vindas de uma mãe que com garra, dificuldade, simplicidade criou com amor e carinho os seus filhos.

Todo lar sadio tem em sua mãe a sua referencia, pois a mãe educa, injeta amor, disciplina, da carinho, sabe dizer não e também dizer sim, é protetora, amiga, provedora, criativa, luta pelo pão cotidiano, faz do lar algo renovador, restaurador a ponto de produzir saudade naqueles filhos que agora nem moram mais ali pois o ciclo da vida arquitetada pelo próprio Deus faz a gente também construir família.

Quando casei senti falta da comida da mãe esse fenômeno é natural pois criado a vida inteira ao lado da mãe sem dúvida senti falta do tempero e do cheiro que só a panela da mãe produz. O marido para compensar e não brigar com a esposa inventa então de comer na casa da sogra.

A sogra é óbvio é mãe da sua esposa logo a palavra “mãe” sempre vai ser o elo de ligação entre os dois mundos: “marido com saudade da comida da mãe e se adaptando a comida da esposa” e “ esposa também com saudade da comida da sua mãe se adaptando agora com a vida de casada”

Todavia nós sabemos que a comida das nossas mães é só um xamarisco para nós nos lembrarmos do carinho , do afeto, da amizade da proteção do incentivo do lar materno e paterno que sempre nos dá saudade. Sim saudade da infância, das broncas, das famosas surras, do não, do sim e por aí vai.

O poeta “ Luís Guimarães” escreveu um poema que retrata muito. “ A visita á Casa Paterna” ele diz: “ Como a ave que volta ao ninho antigo, Depois de um longo e tenebroso inverno, Eu quis também rever o lar paterno, O meu primeiro e virginal abrigo: Entrei (...), Era esta a sala... (Oh! se me lembro!e quanto! ) Em que dá luz noturna á claridade Minhas irmãs e minha mãe ... O pranto (...) Chorava em cada canto uma saudade.

O famoso poema “ Meus Oito Anos” do célebre “ Casimiro de Abreu” também retrata isso “ Oh! Que saudades que tenho, da aurora da minha vida, Da minha infância querida. Que os anos não trazem mais! “Que amor, que sonhos, que flores, Naquelas tarde fagueiras Á sombra das bananeiras, Debaixo dos laranjas”.

Essa brincadeira aqui de sentir saudade da comida da mãe é consolo para as nossas esposas, pois os nossos filhos quando casarem vão de vez enquanto estarem de volta ao doce lar com “ saudade da comida da mãe”, e assim á vida segue até a volta de Cristo.

Todos os filhos que hoje não tem mais a sua mãe sabe que falta ela faz. Outro dia desses conversando com um Senhor de 70 anos ele me revelou que ainda tinha saudade de sua mãe, de sua infancia e daquela época que não volta mas.

Com toda certeza a mãe é uma dádiva divina. Nada pode roubar essa preciosidade chamada mãe, nem o capitalismo selvagem, nem o liberalismo oco, nem o modismo hermético. Vivemos hoje momentos aonde muitos filhos nao tem demonstrado amor para com seus pais, eles são atrevidos com a mãe, respondões, insubmissos, provalecidos,rebeldes, não dão carinho, nem o amor devido aquela mulher que é anjo de Deus para a sua vida.

Na cadeia e no giro da malandragem os próprios bandidos não perdoam bandido que mata a mãe como fez o imperador Romano “ Nero” , pois eles sabem que no final de tudo é a mãe que eles podem contar.

Mãe é jóia rara, perfume suave, rosa em meio aos espinhos, é água fresca em tempo de calor é cobertor em tempo de frio. A Bíblia está coberta de razão quando diz que os filhos devem honrar pai e mãe. Deus vai mais longe nessa verdade e diz que aqueles que honrarem seus pais ele vai prolongar os seus dias sobre a terra.

Encerro este tributo as mães contando a famosa história de Bradley, que aqui num tom brasileiríssimo irei chamar de "João".

“ Joãonzinho"sempre fazia serviço para sua mãe porém um dia na hora do café ele colocou um bilhete dizendo que sua mãe tinha uma dívida para pagar para ele. O bilhete dizia: Mamãe me deve para mim: Por levar recados 6 reais. Por tirar o lixo 4 reais, por varrer o chão 4 reais, mais hora extra 1 real. Total que mamãe me deve 15 reais.


A mãe leu aquilo e não acreditou porém, também escreveu um bilhete para ele. Meu filho João deve a mamãe: Por ser boa para ele "Nada", Por cuidar da sua catapora "Nada", Pelas camisas, sapatos e brinquedos "Nada", pelas refeições e pelo lindo quarto "Nada".

Total que João deve a mamãe “ Nada” . O menino João “ficou envergonhado e devolveu o dinheiro para a sua mae e a partir dali começou a ajudar a mae por "amor” .

Filhos amem a sua mãe, pois Deus vai te abençoar e você será feliz. Amar a sua mãe não é reduzir somente em presentes mais em amor, respeito, dedicação, honra, cuidado, carinho, amizade e ajuda. “ Que possamos sempre voltar como Ave ao Velho Ninho”.

Pastor Carlos Augusto Lopes
Teólogo

3 comentários:

Igor Carvalho disse...

Olá amado irmão!

Na vida há sempre irmãos desempregados, irmãos que precisam melhorar no trabalho, irmãos que gostariam de estudar mas não tem condições. Foi pensando nisso que criei um trabalho voluntário e gostaria que, se possível, espalhassem essa semente de amor.

É um curso de inglês online 100% gratuito com download de áudio em MP3 e vídeos do youtube para qualquer pessoa desfrutar.

O site é www.falandoingles.com, por favor compartilhe com todos e faça essa semente germinar!

maires agda mesquita disse...

revenda de hospedagem de sites

maires agda mesquita disse...

segurança eletrônica